PARTICIPE DE UM DESTES CURSOS - FAÇA JA SUA INSCRIÇÃO

sábado, 27 de agosto de 2011

MOVIMENTOS CLASSISTAS, BRIGADIANOS QUEREM RESPEITOS.


E não apoio este movimento dos Brigadianos
-Por LCBergenthal- Queimar pneus nas estradas e deixar as faixas com as atuais necessidades não esta correto, manifestações, que limitam o direito de ir e vir dos motoristas ocorreu em rodovias federais em Palmeira das Missões, Três de Maio, Sarandi e Rio Grande, em uma rodovia estadual em Gravataí e em uma avenida de Alvorada. Entendo muito pouco de movimentos classista, mais quem sabe estes pneus queimados sejam somados com mais outros recolhidos nas borracharias com outras entidades descontentes com o atual governo estadual e federal, teríamos uma fogueira bem grande, pois acho que é isso que o senhor Governador quer, pois quando em sua campanha política fez declarações que melhoraria os salários dos brigadianos e porque não a faz agora que é o supremo chefe da força pública rio-grandense ou quer ela seja enfraquecida para não confrontar com os ditos movimentos sociais, como o MST, que interrompe uma estrada hoje, amanhã esta sendo recebido nos seus gabinetes pelas mais altas autoridades, certo ou errado. Brigadianos tem que procurar os movimentos descontentes, incluindo o MST e somar forças nestes atos e aprender como fazer, pois até então são treinados para cumprir ordens, serem ordeiros, disciplinados e nada ganham com isto, não a violência, nem a desordem social, mais sim a continuidade de suas lutas por melhores salários, vocês merecem ganhar melhor, pois expõe suas vidas diuturnamente para defender a sociedade gaúcha e não pode ser a pior policia em vencimento do Brasil, isto é uma vergonha, propostas com a que o governo apresentou é uma afronta, descaso com os senhores, aqui vai uma dica, você que é Brigadiano, não fique na sombra das associações e nem dos demais colegas, não seja um Maria vai com as outras, se vem pra ti vem pra mim também, seja colega, tenha hombridade e lute pelos seus interesses, olhe para a sua família, que amanhã pode estar passando fome.